quinta-feira, 17 de novembro de 2011

MATERIAIS PEDAGÓGICOS!!!!

Amigos e amigas seguidores do meu blog!
Tenho recebido muitos e-mails de amigos e amigas professores de AEE, perguntando à cerca de material para se trabalhar em sala de Recursos.
Veja Bem !!!
Adquiri esta coleção CIRANDA DA INCLUSÃO, que é óóóóótima, ela me custou R$160,00, preço bem acessível pela quantidade de material que a coleção possui. Digitalizei a mesma para vocês perceberem um pouquinho dessa maravilha que vem me auxiliando no AEE.














ABRAÇÇÇOS......AMANDA PATRICIA!!!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Modelo de Entrevista Familiar


ESCOLA MUNICIPAL JESUÍNO GONÇALVES DOS REIS
ENTREVISTA FAMILIAR

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
Nome do aluno:_____________________________________________________________
Data de Nascimento: _____/_____/_____     Idade atual:______
Filiação: PAI:____________________________________________Profissão:_________________               MÃE:___________________________________________Profissão:_________________
Endereço:___________________________________________________________________________________________________________________________________________
Irmãos:________________Com quem reside no momento:__________________________________

DADOS DA GARVIDEZ DA MÃE
Idade da mãe:_______________________ Idade do pai:______________________
A gravidez foi planejada? (  )sim  (  )não__________________________________________
Qual a expectativa da Família mediante a gravidez?________________________________
Condições físicas e emocionais durante a gravidez:_________________________________
______________________________________________________________________
Houve ameaça de aborto? (   )sim. Qual a causa?______________________________         
                                               (   )não
Realizou o acompanhamento pré – natal? (   )sim  (   ) não
Ocorreram doenças infecciosas: (   )sim  (   )não
A mãe tomou medicação durante a gravidez? Qual?_____________________________________________________________________
A mãe é fumante: (   )sim (   )não  -  Alcoólatra: (   )sim (   )não  -  Toxicômano: (   )sim (  )não
OBS:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

CARACTERÍSTICAS DO PARTO
Normal: (   )   Cesariana: (   ) Em tempo prematuro: (   )sim  (   )não ____________________
Quanto tempo de Gestação: ____meses           Local do parto:________________________
Alguma situação especial:_____________________________________________________

CONDIÇÕES DO RECÉM NASCIDO
Peso:_____________________ Comprimento:_________________________
Cor ao nascer: (   )natural   (   )anoxia   (   ) pálido
Apresentou alguma mal formação: (   )sim  (   ) não _________________________________________
Qual tratamento imediato: ____________________________________________________________
Qual foi a primeira reação da família quanto ao bebê:_______________________________ ________________________________________________________________________

ALIMENTAÇÃO:
Quanto tempo após o parto recebeu sua primeira alimentação: ______________________________
Alimentação natural:  (   )seio  (   )mamadeira.   Quando parou:________________________
Foi observado alguma dificuldade de deglutição: (   )sim (  )não
Quando iniciou a alimentação sólida:____________________________________________
Preferência alimentar neste período:_____________________________________________

ROTINA DA CRIANÇA
Descreva como é seu dia desde quando acorda até quando deita:
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________


EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM
Quando iniciou o balbucio: ____________________________________________________
Quando falou as primeiras palavras: ____________________________________________
Usa frases para se comunicar: (   ) sim   (   )não
Troca letras: (   ) sim  (  ) não. QUAIS:____________________________________________
Necessita de gestos para se comunicar: (   )Sim  (   ) não
Cumpre ordens simples: (   )sim (  ) não
Sabe transmitir recados: (   )sim (  ) não______________ Canta: (   )sim (  ) não __________
Repete Histórias: (   )sim (  ) não. _______________________________________________

SEXUALIDADE
Tem curiosidade sexual: (   )sim (   ) não.  Atitude Tomada:___________________________
Masturba-se: (   )sim (   ) não.  Atitude Tomada: ___________________________________
Quem lhe orienta em casa: ___________________Desde Quando:____________________

 RELACIONAMENTO E CARACTERÍSTICAS SEXUAIS
Tem facilidade para fazer amigos? (   )sim (  ) não.    
Relaciona bem com estes? (   )sim (  ) não
Prefere brincar sozinho ou com amigos: __________________________________________
Relaciona-se melhor com o pai ou com a mãe?____________________________________
Como reage quando contrariado:_______________________________________________
Qual a atitude dos pais diante da reação:_________________________________________
Como reage diante de situações novas:__________________________________________
O que faz nos momentos livres:_________________________________________________
Tem outra atividade além da escola?____________________________________________
Lugar que dispõe para brincar:_________________________________________________
Tem autonomia nas questões de higiene pessoal e vestuário? ________________________


ANTECENDENTES FISIOPATOLÓGICOS
Teve alguma doença durante a infância: _________________________________________
Já teve convulsão? (   )sim (  ) não.  Características e frequência:______________________

Já fez cirurgia? (   )sim. Quando: ________________Tipo de cirurgia:__________________
                         (   ) não.
Tomou anestesia? (   )sim (  ) não

ANTECEDENTES FISIOPATOLÓGICOS FAMILIARES
Outra pessoa da família apresenta:
(   ) Distúrbios na fala      (   )Epilepsia      (   ) Algum tipo de deficiência. Qual?____________
(   )Alcoolismo       (   )Tóxico       (   ) Doença Mental.

ESCOLARIDADE
Queixa principal da escola atual?
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Gosta de estudar e da professora? (   )sim (  ) não _________________________________
Tem tempo para fazer as tarefas de casa? (   )sim (  ) não. Quem ajuda?________________
O que a família faz quando a criança não vai bem na escola?_________________________
____________________________________________________________________________
Qual a maior dificuldade apresentada pela criança na escola (leitura, escrita e matemática):
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Como se comporta na sala? E com materiais escolares?
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________
O que a família pensa da professora? E da Escola?_________________________________




OUTRAS INFORMAÇÕES:
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


DATA: ______/______/_______


_________________________________________________________
Professor de Atendimento Educacional Especializado

__________________________________________________________
Assinatura do responsável









quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Trabalho de Conclusão de Curso em Atendimento Educacional Especializado





UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
FACULDADE DE EDUCAÇÃO 


AMANDA PATRÍCIA FRANCISCA MARTINS


EDUCAÇÃO INCLUSIVA
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA A  DEFICIÊNCIA INTELECTUAL


Fortaleza
2011



 
“Se uma pessoa não pode aprender
da maneira que é ensinada, é melhor ensiná-la
da maneira que pode aprender”.
Marion Welchmann




RESUMO

A inclusão escolar de pessoas deficientes tem sido a proposta norteadora e dominante na Educação Especial no Brasil nos últimos anos. Portanto, as escolas especiais bem como as escolas comuns devem ofertar em suas entidades de ensino o Atendimento Educacional Especializado para que os alunos público-alvo da Educação Especial sejam incentivados a se expressar, pesquisar e desenvolver seus conhecimentos livremente. Todavia, o objeto de atenção das reflexões aqui apresentadas refere-se ao estudo de um caso real de uma aluna que possui deficiência intelectual. A principal queixa da escola, é que a criança possui dificuldade acentuada de aprendizagem bem como um déficit de atenção muito elevado e que estas características vêm atrapalhando seu desempenho escolar. Desse modo, o objetivo principal deste é assegurar a inclusão escolar da criança e propiciar o Atendimento Educacional Especializado elaborando um plano de AEE que venha sanar as dificuldades da aluna e desenvolver suas habilidades. Assim, como proposta metodológica, houve a proposição do caso da aluna, o discernimento do problema, ou seja, a análise e clarificação e a busca complexa pela sua solução, sendo que para tal, faz-se necessário desenvolver métodos pedagógicos de forme que alcancem o problema da aluna (concentração) e venha sanar suas dificuldades. E, por conseguinte o plano de AEE condizente com a realidade da criança composto com os objetivos que servirão de metas a serem alcançadas; atividades que serão desenvolvidas para a aluna, bem como adequação e seleção de materiais e equipamentos que precisam ser adquiridos para o atendimento; os tipos de parcerias necessárias; os profissionais da escola que receberão orientações do professor de AEE e também a avaliação, os resultados e a Reestruturação do plano se for necessário. Enfim serão desenvolvidas ações para que as práticas escolares permitam que a aluna possa apender e ter reconhecidos e valorizados seus valões e conhecimentos.

Palavras-chave: (1) Atendimento Educacional Especializado; (2) Educação Especial; (3) Escola comum.


ABSTRACT

School inclusion of disabled people has been the guiding and dominant in the proposed Special Education in Brazil in recent years. Therefore, special schools and ordinary schools must offer in their educational institutions to specialized educational services for students to target audience of Special Education are encouraged to express themselves, research and develop their knowledge freely. However, the object of attention of the ideas presented here refers to the study of a real case of a student who has intellectual disabilities. The school's main complaint is that the child has severe learning difficulties and attention deficit a very high and that these characteristics are hindering their academic performance. Thus, the main objective is to ensure the inclusion of this child's school and provide for special classes preparing a plan that will address the ESA student's difficulties and develop their skills. So, like methodological proposal, the proposal was the case of the student, the discernment of the problem, ie the analysis and clarification and complex search for its solution, and for that, it is necessary to develop teaching methods so they reach the problem of student (concentration) and will resolve its difficulties. And therefore the ESA plan consistent with the reality of the Child composed with the objectives that serve as goals to be achieved, the organization of care, activities to be developed for the student, as well as suitability and selection of materials and equipment that need to be acquired for the service, the types of partnerships needed, the school personnel to receive guidance from the professor of ESA and also the evaluation, the results and the Restructuring of the plan if necessary. Anyway actions will be developed so that the school practices that allow the student to append and having recognized and valued their knowledge and Walloons.
 
Keywords: (1) special classes, (2) Special Education, (3) regular school.
 




SUMÁRIO


     INTRODUÇÃO........................................................................................................ 10
1   ESTUDO DE CASO............................................................................................... 12
1.1 Caso Jordany......................................................................................................... .12
2   ANÁLISE E CLARIFICAÇÃO DO POBLEMA................................................... 13
2. Em busca de uma solução para o problema......................................................... 14
3   ESCOLA COMUM MEDIANTE A EDUCAÇÃO ESPECIAL........................... 15
3.1 Atendimento Educacional Especializado para aluno com Deficiência
 Intelectual.................................................................................................................... ...16
4   METODOLOGIA..................................................................................................... .18
5   PLANO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO................ .20
6   CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................. .23
7   REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................... 24






INTRODUÇÃO  

A inclusão de crianças com necessidades educacionais especiais no contexto escolar tem sido tema de controvérsias constantes entre a comunidade escolar e a sociedade. Diante dessa afirmação, decidi participar deste curso de Atendimento Educacional Especializado, porque fui professora de sala regular dois anos onde me deparei com duas alunas especiais na sala.
O fato de não saber como trabalhar e desenvolver novos métodos para estimular a aprendizagem dessas alunas me incentivou tornar professora de AEE e posteriormente participar do curso, pois a partir daí, comecei a pesquisar e a mudar as minhas práticas pedagógicas, estimulando dessa forma o aprendizado dessas crianças. Muitas pessoas acreditam que esta oportunidade é desnecessária, pois acreditam que aluno deficiente só existe na Televisão ou na sala ao lado.
Sabemos que professores e diretores exercem um papel estrutural dentro do sistema educacional, seus gestos e atitudes são espelhadas e copiadas por muitos pais e alunos. Assim, professores e diretores devem ser os primeiros a praticar a proposta inclusiva, mas, infelizmente nos deparamos com inúmeros destes totalmente alheios a este fator. Portanto torna-se viável a capacitação dos profissionais da escola para este fim, pois sabemos que toda a comunidade escolar deve participar do contexto de escola inclusiva.
 No Entanto, o Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial apresenta a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que acompanhou os avanços do conhecimento e das lutas sociais, visando constituir políticas públicas promotoras de uma educação de qualidade para todos os alunos (MEC/SEESP, 2008).
Já as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, Resolução CNE/CEB nº 2/2001, no artigo 2º, determinam que os sistemas de ensino devam matricular todos os alunos, cabendo às escolas organizarem-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos (MEC/SEESP, 2001). Todavia, as escolas precisam rever suas propostas pedagógicas de forma que elas venham atender a todos os alunos sucintamente, independente de ser deficiente ou não.
Por fim, será desenvolvido neste TCC o estudo de caso real de uma aluna com deficiência intelectual, matriculada no ensino regular de uma escola do município de Porangatu. A mesma tem 09 anos de idade e cursa o 3°ano. O principal objetivo a ser alcançado nesta proposta é o bem estar escolar da criança de forma que lhe seja propiciado melhor qualidade de vida, ampliando os aspectos referentes à afetividade, comunicação, atenção, autonomia e ofertar e elaborar um plano de AEE condizente com a realidade da mesma de forma que sejam respeitadas todas as suas habilidades e potencialidades e sanadas suas dificuldades fazendo com que as barreiras escolares sejam escassas de sua vida e que a partir daí possa realizar tarefas simples de seu cotidiano.
           



1.   ESTUDO DE CASO.

1.1. Caso Jordany

A aluna Jordany (nome fictício), 09 anos, nasceu no dia 03 de julho de 2002, de parto cesariana, na cidade de Porangatu, Norte de Goiás. É a mais nova, da prole de quatro filhos.  Estuda na Escola Municipal Jesuíno Gonçalves dos Reis, no período matutino, onde cursa o 3° ano. É uma das maiores alunas da sala, em altura. A mãe já a levou para fazer exame de idade óssea, cujo não apresentou nenhuma anormalidade, de acordo com informações colhidas em entrevista familiar.
De acordo com relatos da mãe da criança, quando descobriu a gravidez, tinha 38 anos de idade e o pai 49 anos, já ambos em idade avançada. Continuando, informa que sofreu problemas graves de hipertensão. Em se tratando de questões familiares, fato que chama atenção é que assim que a criança nasceu, sofreu rejeição paterna. Seu pai é alcóolatra e alegou que a criança não era sua filha, pois tinha a pele cor negra.  Em relato à anamnese feita, a mãe descreve sofrer até hoje com esta situação e dá exemplos: se o pai está assistindo televisão, Jordany logo se evade do ambiente, pois sabe que o pai não gosta de ficar no mesmo lugar que ela, já que a agride com palavras.
Frequenta a sala de AEE no contra-turno, onde eu sou a professora de recursos. Ela ama ser atendida na sala. No que diz respeito à professora da sala de aula comum, a mãe de Jordany citou que em conversa com a professora, esta demonstrou preocupação, afirmando que sua aluna tem o corpo de adolescente, seios grandes, pernas grossas e não age como tal, senta de qualquer maneira, e os colegas da sala ficam olhando e fazendo críticas (SIC). A mãe acha que a filha possui algum distúrbio mental mais grave e vai levá-la a um especialista. A criança foi consultada por pediatra, que aconselhou sua mãe a encaminhar a criança para uma neuropsicóloga em Goiânia, pois, até então, foi constatado pela médica que ela possui Déficit Intelectual e de Atenção em nível considerável ou grave.


2.   ANÁLISE E CLARIFICAÇÃO DO PROBLEMA.
No aspecto afetivo, anteriormente era uma aluna muito amorosa, meiga e singela, mas atualmente apresenta dificuldades em fazer e manter amigos e, quando os tem não se relaciona bem com eles, agredindo-os fisicamente, a ponto de ter de trocá-la de lugar. Também fica agressiva quando percebe que o pai chega em casa sob efeito de álcool. Em algumas situações, Jordany também demonstra agir de forma impulsiva em seus contatos.
Em relação à aprendizagem, é comprometida pelo déficit de atenção acentuado que a aluna possui. Desta maneira, enfrenta dificuldades em permanecer focada em um estímulo por um período significativo de tempo, como, por exemplo, conseguir executar atividades em sala de aula, e até mesmo prestar atenção a uma instrução.
Se tratando dos aspectos psicomotores, quando iniciou no AEE, sua coordenação motora estava em desenvolvimento, sendo que ações, tais como: segurar o lápis de escrever, recortar com a tesoura, pintar se tornavam tarefas mais complexas.
Referente aos aspectos cognitivos, sua aprendizagem ocorre de maneira gradativa, à medida que, necessita da presença de um mediador para que cumpra a tarefa proposta até o final.  Apresenta dificuldade em se concentrar, e realizar atividades que contenham cálculos e ditados orais. Não acompanha a turma durante a escrita no quadro, pois se envolve em seus pensamentos e olhares, tudo chama a sua atenção de maneira bem pertinente. Atualmente, reconhece as letras do alfabeto, números, sabe contar histórias, transmitir recados, lê palavras simples, entre outros.
A comunicação é realizada sob grande dificuldade, onde, às vezes, não se entende o que quer dizer ou expressar. É verdadeiramente uma “criançona”, gosta de brincar de bonecas e montar blocos de encaixe.
Contudo, a construção do seu próprio conhecimento, deve ser pautada na confiança, na possibilidade de valorizar suas manifestações e interesses, a fim de se configurar um espaço, onde a aluna se perceba como possuidora de um saber, fortalecendo, assim, sua auto-estima e autonomia.


2.1.     Em busca de uma solução para o problema

Para tentar solucionar o problema da aluna, faz-se necessário desenvolver métodos pedagógicos de forme que alcancem o problema da aluna (concentração) e venha sanar suas dificuldades. Dessa Forma, é necessário utilizar diversas atividades que vão de encontro às dificuldades da aluna. Tais como: quebra-cabeça, dominós diversificados; memória, labirinto e jogos no computador utilizando softwares como também jogos on-line. Para se trabalhar a matemática que hoje é sua principal dificuldade, torna-se viável o uso do material dourado, atividades representativas, jogo: maior leva e jogo: mais ou menos. Enfim, uma série de jogos que irão desenvolver seu desempenho e raciocínio lógico matemático bem como atenção e concentração.
Além de todo esse material, é indispensável retirar da sala objetos que possam distrair o aluno durante a execução de tarefas, o psicólogo, fonoaudiólogo, psicopedagogo e principalmente frequentar assiduamente a SRM onde oferecerá suporte pedagógico para o aluno.


3.   A ESCOLA COMUM MEDIANTE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA.

O Governo Federal exerce um papel fundamental frente à Educação Especial. Assim, se tornou o grande autor de vários programas que promovem a inclusão de crianças com deficiência no sistema regular de ensino ou escola comum, como é o caso do programa Educação para todos. Este programa defende que é direito de toda criança, frequentar a escola regular sem preconceitos e/ou discriminações.
Além disso, deixa bastante claro que a recusa de matrícula de uma criança deficiente por qualquer escola é prevista como crime pela Lei 7.853/89 - Artigo 8°. A partir daí surge a preocupação de revisar os papéis que a educação especial e a escola regular passam a desempenhar frente a essa realidade.
É importante ressaltar que a Escola Inclusiva, é responsável pela escolarização de todos os alunos, indistintamente, nas classes comuns de ensino, e também deve se responsabilizar pelos serviços e pela oferta do Atendimento Educacional Especializado de que podem necessitar os alunos público-alvo da educação especial qual seja, alunos que apresentam: deficiência, transtornos globais de desenvolvimento, altas habilidades/superdotação.
 Gomes (2005), afirma que:
“... a inclusão escolar do aluno com necessidades especiais causa mudança na perspectiva educacional, exigindo novos posicionamentos diante dos processos de ensino e aprendizagem à luz de concepções e práticas mais evoluídas, partindo do princípio fundamental do respeito a toda e qualquer diferença ou característica, com a inclusão em arranjos educacionais regulares, para que todos os alunos possam aprender juntos independentemente das limitações ou dificuldades que apresentem.”

Para Sanchez (2003), falar de educação inclusiva é também comentar sobre aprendizagens dentro da sala de aula, no grupo e com o grupo heterogêneo. Assim temos que ter a concepção que dentro das escolas consideradas inclusivas, nenhum aluno pode sair da sala para receber ajuda, essa ajuda recebe-se no interior da classe, ou seja, caso o professor tenha um aluno deficiente, ele deve lutar para mudar suas práticas pedagógicas de modo com que estas venham atender as necessidades de seu aluno. Atualmente presenciamos situações em que o professor da sala regular entrega a responsabilidade das crianças especiais somente aos professores de AEE e pensam que os mesmos são obrigados à produzir materiais, providenciar textos e atividades para os alunos especiais. Entretanto, sabemos que os dois professores devem andar juntos, ou seja, planejar juntos, para que possam produzir aulas mais significativas que atendam os conceitos de uma aula inclusiva.

3.1.    Atendimento Educacional Especializado para alunos com Deficiência Intelectual

Conforme Figueiredo (2008, p. 34):
“... o atendimento educacional especializado disponibiliza os recursos e serviços e orienta quanto a sua utilização no processo de ensino e aprendizagem nas turmas comuns do ensino regular. O atendimento educacional especializado tem como função identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas.”
O Atendimento Educacional Especializado para alunos com deficiência intelectual deve ser oferecido essencialmente na Sala de Recursos Multifuncionais em período oposto ao da sala comum. Segundo as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica a sala de recursos é um serviço de apoio pedagógico especializado que ocorre no espaço escolar, sendo definido como um serviço de natureza pedagógica, de ensino.
Esse atendimento é realizado pelo professor especializado, o professor de AEE, que suplementa (no caso dos superdotados) e complementa (para os demais alunos) o atendimento educacional realizado preferencialmente nas salas de recursos multifuncionais. De acordo com Gomes (2010), este deve propor ações específicas sobre os mecanismos de aprendizagem e desenvolvimento desses alunos além de propor atividades que contribuam para sua aprendizagem como também situações vivenciais que possibilitem esse aluno organizar seu pensamento.
Também é papel do professor de AEE, manter comunicação direta com o professor da sala comum, utilizar recursos de baixa e alta tecnologia, além de produzir materiais pedagógicos exclusivos para cada deficiência que venham favorecer o desenvolvimento dos alunos. É importante centrar-se na educação cognitiva, promover situações desafiadoras de modo que o aluno seja despertado a realizar determinada tarefa com entusiasmo e compreensão.
Para Gomes (2005) alunos com Deficiência Intelectual desenvolvem esquemas e evoluem nas suas conceitualizações, mas demonstram dificuldades em conservar esses esquemas sem mediação sendo de suma importância centrar-se na educação cognitiva, promover situações desafiadoras.
 Afirma Mantoan (1998), que não se trata selecionar habilidades intelectuais dentre aquelas que são comuns às que as pessoas empregam para se ajustar aos desafios da vida acadêmica, social, do trabalho e do lazer. O que importa é valorizar todo e qualquer nível de desempenho cognitivo e considerar o processo pelo qual a habilidade é exercida, para atingir um determinado fim.
 Assim, o aluno com necessidades especiais, terá condições de construir sua própria inteligência de acordo com a quantidade e qualidade de recursos cognitivos que lhe é disponível, tonando-se agente na construção do saber.


4.   METODOLOGIA
O presente estudo segue o delineamento do tipo observacional descritivo onde foram observadas as espontaneidades bem como as privações da aluna nos espaços delimitados pela escola. Com base em relatos da professora da sala comum a aluna havia apresentando comportamentos agressivos. Assim, como professora de AEE da aluna sujeito desse caso, foi avaliado seu desempenho em sala de aula como, por exemplo, se a aluna apresenta melhor desempenho em atividades individualizadas ou em grupos, se ela é obediente ao professor da sala e claro, como é o seu comportamento juntamente com seus colegas.
Após esta análise foi considerado que a criança prefere fazer atividades em grupos, mas ela não se relaciona bem com as outras crianças e aos poucos começa a partir para agressões físicas. Quando o professor pede para ela se acalmar e não bater nos colegas, ela não obedece ao pedido e logo começa a enfrentar a professora.
A Sala de Recursos da escola está em funcionamento desde o ano 2010. Assim desde a implementação, foi efetuada a matrícula da aluna. Gosta muito de frequentar a sala, de desenvolver jogos no computador, quebra-cabeça entre outros.
Portanto, para o desenvolvimento deste, foi feita uma entrevista (anamnese) com a mãe que relatou acerca da vida familiar da criança. Esta entrevista foi analisada pela psicóloga e fonoaudióloga escolar, pois, ambas estão acompanhando o desempenho da aluna.                                                                                                   
No AEE, a aluna desenvolve-se gradativamente, pois cada dia ela chega à sala com um comportamento diferente. Há momentos em que a mesma apresenta disposição e realiza tudo o que foi pedido mais há momentos que tudo que é proposto ela não quer fazer. Em relação a motricidade, é capaz de manipular objetos, pegar no lápis para desenha escrever e traçar as letras. Quanto à oralidade, é capaz de compreender e repassar recados em mensagens como também consegue expressar suas ideias por meio de desenhos.  A partir dai com base na observação e nas informações obtidas realizadas nos três momentos: sala de aula, familiar, e sala de recursos, pude elaborar o plano de AEE condizente com a realidade da aluna.


5. PLANO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO.
Caso Jordany

A. Dados de Identificação:
Nome da aluna: Jordany (fictício)
Idade: 9 anos série: 3º Ano turma: A turno: Matutino
Escola: Jesuíno Gonçalves dos Reis
Professor do ensino regular: Vera Lúcia
Professor do AEE: Amanda Patrícia Francisca Martins

B. Plano de AEE

1.  Objetivos do plano:
- Propiciar ao aluno melhor qualidade de vida, ampliando os aspectos referentes à afetividade, comunicação, atenção, autonomia, entre outros;
- Provocar desafios ao aluno, a fim de que ele se perceba também como agente transformador da construção do saber;
- Identificar as necessidades de aprendizagem, bem como, as habilidades da aluna;
- Garantir que a criança esteja segura, proporcionando, um ambiente que não a agrida física, emocional e socialmente, onde não se sinta discriminada.

2. Organização do atendimento:
Período de atendimento: setembro a dezembro.
Frequência: uma vez por semana.
Tempo de atendimento: 1 h e 30 minutos.
Composição do atendimento: individual.

3. Atividades a serem desenvolvidas para a aluna:
- Será necessário trabalhar todas as dificuldades da aluna. No AEE, serão abordados assuntos diversificados procurando desenvolver as competências que a mesma já adquiriu;
- Fazer uso do material dourado, quebra-cabeça, dominós, jogos da Memória, jogos de associação de idéias, atividades de concentração, desenvolvimento do raciocínio matemático, DVD, SEBRAN e PICOLÉ DIGITAL;
- Ensinar e usar recursos de Tecnologia Assistiva, principalmente a informática acessível, com uso de softwares específicos;
- Atividades com recursos de Comunicação Alternativa e Aumentativa como: Pranchas alfabéticas, cartões simbólicos, chaveiros e pasta frasal;

4. Seleção de materiais a serem produzidos para o aluno:
- Pranchas alfabéticas;
- Cartões simbólicos, chaveiros;
- Fichas e pasta frasal;
- Jogo da memória com números, figuras.

5. Adequação de materiais:
Todos os materiais devem estar adequados e acessíveis. Suas superfícies deverão estar em pontas arredondadas, bem como as tesouras sem pontas. Tudo de forma que não oferecerá riscos para a criança.

6. Seleção de materiais e equipamentos que precisam ser adquiridos:
- Chaméx branco e colorido;
- Cartolina; papel cartão e papel contact;
- Tesoura sem ponta;
- Cola branca, colorida e com glitter;
- Canetinha colorida; tinta guache;
- Lápis de cor, giz de cera;
- Softwares de computador para o desenvolvimento cognitivo;
- Livros, CDs e DVDs, que contenham histórias infantis;
- Fantoches para dramatização de histórias.

7. Tipos de parcerias necessárias para aprimoramento e da produção de materiais:
- Professor de AEE;
- Professor de sala de aula comum;
- Psicólogo e Fonoaudiólogo escolar;
- Coordenação de Educação Inclusiva;
- Equipe Gestora da Escola.

8. Profissionais da escola que receberão orientações do professor de AEE:
Todos os funcionários da escola deverão ser orientados e receber informações através de reuniões e conselho de classe.

C. Avaliação e resultados obtidos diante dos objetivos do plano de AEE:
1. A avaliação será transcorrida após a análise de dados do portfólio individual da aluna.
2. Espera-se que no final desse, todos os objetivos sejam atingidos.

 D. Reestruturação do plano:
Caso o plano em sua integra não esteja satisfatório a aprendizagem da aluna, faz-se necessário buscar novos objetivos, parcerias e rever o material bibliográfico.


CONSIDERAÇÕES FINAIS.

Construir uma escola inclusiva e abraçar a causa de uma sociedade voltada para a diversidade, é um caminho que cada ser deve traçar individualmente, observando, ministrando, vivenciando uma iniciativa própria com base nas necessidades, esperança, desejos e anseios de cada aluno bem como das pessoas que fazem parte da sociedade como todo, observando as potencialidades e os recursos, lembrando que estes precisam ser compatíveis à realidade escolar.
No entanto, espero que este trabalho, através do plano de AEE proposto, venha alcançar as dificuldades e explorar as habilidades garantindo diretamente a inclusão da aluna com Deficiência Intelectual na área escolar bem como sua interação e autonomia dentro da sociedade.
        


REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

BRASIL. MEC. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial. MEC: SEESP, 2001.

FIGUEIREDO, Rita Vieira de. Colóquio. INCLUSÃO – Revista da Educação Especial. Editora Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação. V. 4 - Nº 1 – Janeiro / Julho de 2008, p.20 – 34.

GOMES, C. Necessidades educacionais especiais: concordância de professores quanto à inclusão escolar. Temas sobre Desenvolvimento, São Paulo, v. 14, n. 79, p. 23-31, 2005.         

GOMES, Adriana Leite Lima Verde. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual/ Adriana Leite Lima Verde Gomes, Jean-Robert Poulin, Rita Vieira de Figueiredo; Brasília: Ministério da Educação, Secetaria de Educação Especial; [Fortaleza]: Universidade Federal do Ceará, v.2. 2010


MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Educação escolar de deficientes mentais: problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Caderno CEDES [online]. 1998, vol.19, n.46, pp. 00-00. ISSN 0101-3262.  doi: 10.1590/S0101-32621998000300009.
Rev. bras. educ. espec. vol.12 no.2 -  Marília May/Aug. 2006
Sanchez, P. A. (2003). Perspectives de formation. In Brigitte Belmont et Aliette Vérillon Diversité et handicap à l’école. Quelles pratiques éducatives pour tous? Paris: Institut national de recherche pédagogique (INRP).

SANT'ANA, Izabella Mendes. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicol. estud.,  Maringá,  v. 10,  n. 2, ago.  2005. Disponível em . Acessos em  18  set.  2011. 

SÚMULA: Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Cad. CEDES, Campinas, v. 28, n. 75, Aug.  2008. Available from . Acessos em 18  Setembro de 2011.